• Writer's Room 51

Representatividade feminina na série "As Seguidoras", com Manuela Cantuária

Atualizado: Nov 25

Como vender gêneros híbridos? Como desenvolver personagens complexas, que carreguem discussões? Conheça o processo da roteirista-chefe Manuela Cantuária na série com o Porta dos Fundos e Paramount+

Manuela Cantuária
Manuela Cantuária. Imagem: reprodução

Roteiristas de todo o Brasil sonham com sua série original produzida do jeito que imagina. Muitos também têm a ambição de chefiar a sala do próprio projeto, ou então, conseguir negociar um projeto com elementos híbridos ou fora do esperado. Mas como viabilizar tudo isso? Quais as melhores estratégias?


É aí que entra o processo da roteirista Manuela Cantuária, que terá sua série original "As Seguidoras" produzida pela VIS, uma divisão da ViacomCBS, e o Porta dos Fundos - o primeiro conteúdo original do Paramount+ no Brasil.


A série segue a história de Liv (Maria Bopp), uma influenciadora digital que leva sua obsessão por ganhar seguidores às últimas consequências e se transforma em uma serial killer acima de qualquer suspeita. João Vicente de Castro é o produtor e a série conta com a direção de Mariana Youssef e Mariana Bastos. A criação e roteiro são de Manuela Cantuária, a sala também contou com Nina Kopko, Pedro Perazzo, Beatriz Leal e Tainá Mühringer e a consultoria foi de Camila Agustini.


Conversamos com Manuela sobre seu trabalho com viés feminista, atual e irreverente, bem como sobre o processo de venda e desenvolvimento de "As Seguidoras". Acompanhe e confira as dicas da autora para desenvolver melhor sua bíblia de venda, saber a importância da pesquisa, da comunicação e mais!


Quem é Manuela Cantuária?


Manuela Cantuária trabalha com desenvolvimento e roteiro de projetos para TV, cinema e internet. Seu projeto mais recente é o roteiro de "As Seguidoras", primeira série do Porta dos Fundos para a Paramount+.


No cinema, Manuela foi corroteirista do longa "Cedo Demais", com direção de José Lavigne, e assistente de roteiro do filme "Palavras Queimadas", de Ruy Guerra. Na TV, Manuela escreveu episódios nas séries "Nós", do Canal Brasil, "Escola de Gênios", do Gloob, e "A Garota da Moto", do SBT, entre outras.


Experiência com esquetes no Porta dos Fundos

O foco da escrita de Manuela sempre foi sala de roteiro e séries. Até quando escreve longa-metragens, a roteirista gosta de ter colaboradores. "Passei por várias salas de roteiro - seja canal por assinatura, TV aberta - até o momento em que vim pro Porta dos Fundos. Aí, a demanda principal eram esquetes de humor", conta.

É um formato diferente do de série. Eu costumo dizer que é um processo contrário: na série, primeiro você pensa no conceito, no universo, no personagem, até chegar na cena. Mas na esquete de humor, você já parte de uma situação. - Manuela Cantuária

Ela conta que o processo de trabalhar no Porta dos Fundos foi muito interessante porque sempre teve "uma acidez no humor que combinava com o Porta". Lá, Manuela conta sobre um dos privilégios de trabalhar com o formato de esquetes: "Fiquei muito impressionada com a visibilidade que você tem como roteirista, porque é muito louco você ver as coisas sendo filmadas tão rápido".


Além disso, a roteirista fala sobre a crescente demanda por conteúdos femininos dentro da produtora. "Foi muito legal explorar esse espaço para trazer discussões feministas. É um ambiente onde você se sente livre para criar e abordar assuntos mais polêmicos.", afirma.


"Nesse processo, entrei pro time da Folha de colunistas, onde exercito esse mesmo pensamento de ver o que anda acontecendo atualmente e extrair humor disso", continua. A roteirista afirma que isso acabou também ajudando a construir a sua linguagem como roteirista e criadora - não só de comédia, mas também dramédia, outros gêneros e outros formatos.


E quanto a "As Seguidoras", seu último projeto? "O Porta é uma produtora de conteúdo que também trabalha com séries. Essa demanda surgiu e então eu comecei a desenvolver séries lá dentro", explica.


Do conceito ao greenlight, passando pela pauta feminista

"As Seguidoras".
"As Seguidoras". Imagem: Tela Viva

De acordo com Manuela, o projeto da série "As Seguidoras" passo