• Writer's Room 51

O potencial comercial começa no roteiro

Os profissionais com passagem pela Globo por trás da Product Placement House, consultoria comercial para roteiristas, compartilham conosco importantes questões de mercado e criação

Mad men
"Mad Men". Imagem: reprodução

O mercado audiovisual começa no roteiro - e sabemos que realizar de um projeto de fato pode ser difícil hoje em dia. Nesse campo, um dos caminhos para viabilizar filmes e séries é o dinheiro privado que provém das marcas e canais.


Mas muitos roteiristas nem sequer sabem por onde começar. Com quem falar? Que tipos de estratégias existem para viabilizar meu projeto? Como entro em contato e como sei quais são os pontos comerciais mais fortes da minha ideia?


É aí que entra o serviço da Product Placement House, empresa recente que desenvolve a conexão entre a criatividade e o comercial. Conversamos com Bianca Lanzelotti Pedro, Bruno Pimentel e Regina Maciel sobre esse serviço fundamental para a formação de um mercado audiovisual mais forte e que oferece mais um caminho para viabilizar projetos.


Acompanhe e entenda melhor como é o trabalho deles e por que é imprescindível que o roteirista comece a pensar comercialmente desde a escrita do roteiro.


O que é a Product Placement House e como surgiu?

Product Placement House
Regina, Bianca e Bruno - a Product Placement House. Imagem: acervo pessoal

O serviço de consultoria especializada é realizado pelos parceiros Bianca Lanzelotti Pedro, Bruno Pimentel e Regina Maciel.


Bianca é jornalista e roteirista, possuindo 11 anos de experiência como roteirista comercial em novelas, shows e séries. Seus principais trabalhos envolvem os cases Lupo em “Avenida Brasil” (vencedor do prêmio ABAP), Seda em “Malhação – Seu Lugar no Mundo” (vencedor do prêmio ABAP), “Altas Horas” e o “Especial de Natal-Juntos a Magia Acontece”, desenvolvido em parceria com a Coca-Cola.


Bruno Pimentel, publicitário e roteirista, há quase 20 anos acumula experiências com conteúdo e marcas, tendo passado pela Globosat e agências como NBS e Artplan. Tornou-se redator de soluções comerciais em programas da TV Globo, como "The Voice Brasil", "TVB Kids", "Popstar", "Encontro", "Tamanho Família", "Zorra" e "Tá no Ar".


Regina Maciel é jornalista e acumula 25 anos de experiência em supervisão, criação e produção de soluções publicitárias para programas de entretenimento (novelas, séries e shows). Os destaques entre seus projetos vão para os cases Lupo em "Avenida Brasil" (vencedor do prêmio ABAP), Natura em "A Força do Querer", Coca-Cola em "Império" e Fiat em "A Dona do Pedaço".


Os três se conheceram na Globo, atuando justamente na área comercial que trabalha com projetos especiais para marcas com conteúdo da rede. Bianca conta sobre o grande contato que tiveram com autores, diretores e marcas: "Nós éramos esse elo que unia o mundo artístico e o mundo publicitário, tentando juntar os dois para quem pudessem falar a mesma língua, pois nem sempre falam".


Após saírem da Globo e somando muitos anos de experiência entre si, os três perceberam que existe tanto um grande interesse na expertise comercial do profissional como também uma necessidade. "Não é só a Globo que produz conteúdo", diz Bianca. "Nós temos tanta coisa que precisa disso e que quer saber sobre isso”.

Bianca, Bruno e Regina - a Product Placement House. Imagem: Acervo pessoal
Bianca, Bruno e Regina - a Product Placement House. Imagem: Acervo pessoal

As consultorias da PPH surgiram, então "desse gap que percebemos entre quem cria, produz e quem anuncia". Bruno conta que, na Globo, ele e Bianca faziam parte da criação dentro da área comercial. "Nós tínhamos acesso aos programas, redações, autores das novelas, e ao mesmo tempo a gente tentava atender às demandas das marcas. Aí, a gente percebeu que tem essa demanda de quem faça essa função aqui fora".


Bianca complementa, lembrando da dificuldade que era unir os lados criativo e publicitário: "eram pontapés dos dois lados e o pessoal tentava equilibrar tudo com muitos sofrimento". E isso se mantém no mercado atual, onde existe esse desequilíbrio entre noção "artística" e "mercadológica", como se fossem opostas.


Porque a gente viu que muitas vezes era falta de informação de ambos os lados. Existe uma falta de conhecimento do mercado publicitário de como funciona a criação de um roteirista, por exemplo, como ele funciona criativamente. E existe também, da parte do roteirista, um desconhecimento de como funciona a criação publicitária. - Bianca Lanzelotti Pedro

Então, a PPH foi criada pensando em todas as pontas da cadeia criativa - desde o roteirista até a marca. "Porque não adianta pular uma ponta dessas, é uma mudança de pensamento" finaliza Bianca. "É olhar para o audiovisual como um business mesmo".


E como anda o panorama do mercado audiovisual em relação a isso?


Status do mercado: existe mesmo essa demanda por histórias?

Mad men
Mad Men. Imagem: reprodução

Bianca afirma: "É uma demanda dos dois lados. Hoje, as marcas cada vez mais querem se apropriar de conteúdos. E temos muito conteúdo sendo escrito e produzido. Só que é preciso casar a vontade da marca, o que ela quer comunicar, com o conteúdo", explica. "É preciso pensar comercialmente - é aí que a gente entra".


O audiovisual é o quarto maior mercado brasileiro, gerando lucro durante todo o seu processo. Mas como produzir em meio ao sucateamento de nossos órgãos e editais públicos?

Hoje a gente tá com o desmonte da Ancine, uma série de problemas com o dinheiro público que tá inviabilizando muito as produções. Então a saída que as produtoras estão enxergando (e nós também) é buscar isso no setor privado. - Bianca Lanzelotti Pedro

E é importante que o roteirista já tenha essa questão na manga. Tanto em projetos audiovisuais "puramente artísticos", como longas e séries, quanto publicitários e híbridos, a conversa com marcas e canais por não só viabilizar como levar muito adiante.


"Do lado do setor privado, existe um interesse, mas precisa estar dentro da comunicação deles e do propósito narrativa da marca", explica Bianca. E em termos de publicidade, Bruno afirma que as marcas estão conscientes que um posicionamento interruptivo tira a atenção do público - é preciso ser orgânico.


Portanto, de acordo com ele, as marcas sabem que "devem estar inseridas dentro das histórias e não interrompendo as histórias. Então tem uma busca muito grande pelo branded content e por outras formas de inserção da marca" dentro das narrativas, conta.


Eis que você tem um projeto de série e acredita no potencial dele de ir adiante para grandes canais. Não está sabendo muito bem como fazer essa análise? Quais ferramentas você tem ao seu dispor? É aí que a Product Placement House entra.


Quais as vantagens de uma consultoria comercial para o roteirista?

Mad Men. Imagem: reprodução