7 dicas para descrever melhor suas personagens no roteiro

Para além de "cabelos longos", existem diversas maneiras de descrever personagens no roteiro e captar a atenção de leitores. Confira nossas dicas!

"Psicopata Americano". Imagem: Prime Video
"Psicopata Americano". Imagem: Prime Video

Se você fosse uma personagem, como se descreveria? Características físicas até podem ser relevantes para a narrativa, mas a personagem em si vai muito além delas.


Muitas pessoas se apresentam dizendo "o que são": seus valores, profissão, objetivos na vida, etc. Mas não é sempre que nós ou as personagens têm essa clareza sobre si. Por isso, podemos pensar mais fora da caixa na hora de apresentar protagonistas, antagonistas, arquétipos e outras personagens no roteiro.


Além de rabos de cavalo, barbas, um par de olhos castanhos brilhantes ou uma cicatriz no rosto, outras coisas podem descrever uma personagem sem que ela fale uma palavra. Já fizemos um texto sobre esse assunto, mas, para ajudar a refletir ainda mais sobre isso, traduzimos e adaptamos dois textos do site Screencraft (um de David Young e outro de Ken Miyamoto).


Aproveitando o tema, conheça nosso novo ebook "A Personagem além das fórmulas", que conta com 112 páginas repletas de processos, dicas, reflexões, exercícios e recursos para conceber personagens narrativas interessantes!

Ebook personagem

Apresentando personagens através de ações

"Sangue Negro".
"Sangue Negro". Imagem: IMDb

As primeiras cenas de sua protagonista, antagonista ou personagem relevante devem causar um impacto em quem lê. Não precisa ser nada extremo ou grandioso — basta ser potente e específico. E um dos elementos mais potentes na narrativa é a ação.


Tomando o exemplo do filme "Sangue Negro" (There Will be Blood, 2007), de Paul Thomas Anderson, Ken Miyamoto faz uma análise de como o caráter, objetivo, falha e até mesmo seu destino narrativo.


O filme conta a história de Daniel Plainview (Daniel Day Lewis), um garimpeiro da virada do século nos primeiros dias do negócio de petróleo. É quando ele falha, obtém sucesso e depois colhe os benefícios disso – não deixando ninguém ficar em seu caminho.


O roteiro nunca oferece nenhum tipo de descrição de personagem para Daniel.


DANIEL PLAINVIEW (atualmente com 30 anos) está, com picareta e machado, no meio do dia, em um calor de 43ºC no Novo México, procurando por PRATA.

Não há nenhum sinal de descrição do personagem. Nem mesmo uma descrição de figurino. Por quê? É desnecessário.


Sabemos que se passa em 1898 porque o roteiro nos disse isso. Então, assumimos que a maioria das pessoas teria uma ideia de como seria um garimpeiro naquela época. E assumimos que o departamento de figurino descobrirá os detalhes. Qualquer coisa além disso, para Miyamoto, seria um "desperdício de espaço em branco" na página.


É claro que alguns detalhes podem ser importantes, caso a personagem venha a interagir com um chapéu (como o icônico chapéu de Jack Sparrow em "Piratas do Caribe"), uma blusa (como Fleabag no piloto de "Fleabag") ou algo assim. Mas, geralmente, uma descrição muito longa do figurino acaba confundindo a leitura ou perdendo foco narrativo.

"Sangue Negro".
"Sangue Negro". Imagem: reprodução

O roteiro de "Sangue Negro" também ignora a tentação de trazer backstory ao personagem. Por quê? Porque serão suas ações que definirão que tipo de personagem ele é. Na verdade, nos primeiros 15 minutos do filme, Daniel mal fala além de murmúrios para si mesmo. Mas ao final desses 15 minutos, sabemos exatamente quem ele é.


Ação Definidora de personagem nº 1: Prospecção obsessiva


Vemos uma imagem de Daniel em um poço de mina de prata, batendo com uma picareta de metal nas paredes de rocha dura com uma força quase obsessiva. Ele atinge a parede de pedra repetidamente enquanto as faíscas voam de cada ponto de impacto.


Vemos que Daniel é impulsionado por um único objetivo obsessivo em muitos momentos diferentes neste local – encontrar prata. Ele nunca mostra fraqueza, apesar de todo o trabalho duro. Ele está lá para encontrar prata. Isso é tudo que importa.


Depois de explodir parte da parede de pedra com dinamite, ele cai profundamente no poço por acidente, quebrando a perna no processo. Ele se afunda em auto-piedade? Desiste para ter certeza de que pode escapar e encontrar atendimento médico? Não.


Daniel rasteja até o ponto de explosão para examinar as rochas que foram expostas. Quando ele vê pedaços de prata, ele murmura obsessivamente para si mesmo enquanto examina sua fortuna encontrada:

Lá está ela. Lá está ela. Lá está ela.

Essas ações mostram o que Daniel mais busca – sua fortuna. Esse é um grande traço de caráter que roteiros menores teriam se voltado para a descrição do personagem ou diálogo para se comunicar.


Ação Definidora de Personagem nº 2: Impulso Incansável


Sem perder o ritmo depois de ter encontrado sua fortuna, ele coloca pedaços de prata em sua camisa e começa a se puxar para cima do eixo com a perna fraturada pendurada no ar. Ele está com muita dor, mas ele é levado a alcançar sua fortuna. Encontrar as pedras prateadas não é suficiente. Ele precisa entregá-las em outro local (Silver Assay/Lease Office) para alcançar a riqueza que deseja.


Daniel não apenas sai do poço com uma perna gravemente fraturada, mas também consegue se arrastar por mais de um quilômetro e meio pelo chão do deserto até uma cidade mineira local.


Sabemos que Daniel chegará a qualquer extremo para ver o que quer que ele faça. Esse é outro traço de caráter comunicado apenas pela ação.


Ação Definidora de Personagem nº 3: Carregando uma espingarda


Ao longo dos primeiros 15 minutos, Daniel tem uma espingarda pendurada no ombro ou ao seu lado. Mesmo quando ele está sozinho no meio do deserto, a espingarda está perto dele. Isso nos diz que ele não confia em ninguém e não vai deixar ninguém ficar entre ele e sua fortuna.

"Sangue Negro". Imagem: reprodução
"Sangue Negro". Imagem: reprodução

Daniel carregando uma espingarda também nos mostra que ele é inteligente. Ele sabe que, se outros garimpeiros virem sua descoberta, ele pode ter que se defender.


Quando ele se deita no chão do Silver Assay/Lease Office, observando-os moer sua prata e preencher seu formulário de registro, sua espingarda está ao seu lado. Ele sabe que é um homem ferido e está pronto para ser atacado. Mas porque Daniel é tão obsessivo e motivado, está pronto para usar força letal para defender seus direitos.


Ação Definidora de Personagem nº 4: Sempre em busca da próxima perspectiva


É revelado que Daniel recebe $342,00 pela prata. Isso vale quase US $10.000 em dinheiro hoje. O roteiro também denota que ele pretende vender o local de prospecção, o que renderia ainda mais dinheiro.


Em 1898, Daniel poderia facilmente viver com essa fortuna. Ele então compra uma casa ou fazenda para viver a boa vida por um tempo? Não.


Ele investe o dinheiro em coisas maiores e melhores – um poço de petróleo e uma equipe.


Ele não precisa mais prospectar por conta própria: agora pode pagar uma equipe de homens para ajudá-lo. E Daniel se torna cada vez mais inovador à medida que esboça planos para uma torre de perfuração mais eficiente.


Isso nos mostra que ele nunca deixará de buscar cada vez mais fortunas. Primeiro, era ouro e prata. Agora, é petróleo. E sabemos que quando ele conseguir petróleo, ele só vai querer mais e mais.


Ação Definidora de Caráter nº 5: Lealdade


Como a equipe de Daniel pode ajudá-lo a obter mais fortuna, ele é leal a eles. Há uma camaradagem que demonstra com aqueles homens. Ele compartilha sua obsessão com eles. Agora, Daniel não carrega mais uma espingarda com ele e aparenta estar mais confortável.


Quando um dos homens morre durante um acidente, Daniel acaba ficando responsável pelo filho bebê do homem. Agora, Daniel se importa com o bebê. Ele cuida dele e o cria como se fosse seu próprio filho.


Algo interessante sobre esse fato é que Daniel o está usando para construir seu legado de fortuna: ele agora tem um herdeiro. Quando estiver mais velho, poderá continuar buscando sua fortuna passando os deveres físicos para a próxima geração.


No entanto, vemos mais tarde que seu filho se volta contra ele em sua vida adulta e se torna um competidor. A reação de Daniel a isso é sua vontade obsessiva de derrotar todos e quaisquer concorrentes – até mesmo seu filho. Ele sente que o herdeiro traiu sua lealdade e essa acaba sendo a derrocada de Daniel.





7 dicas para apresentações de personagem mais intrigantes

"Fleabag". Imagem: reprodução
"Fleabag". Imagem: reprodução

1. Postura e comportamento

Embora nem tudo sobre uma aparência física precise ser dito, existem alguns traços visíveis que carregam algum significado dependendo da personagem que você está descrevendo.


Ao apresentar uma nova pessoa à sua história pela primeira vez, pense em como ela se comporta. Nem toda personagem exigirá esse pensamento, é claro, mas as principais geralmente sim. Ela é uma pessoa orgulhosa de si? Uma pessoa perigosa? Uma pessoa subserviente? Como se movem em seu mundo, confortáveis ou não?


Sua postura geral é uma maneira interessante de construir isso. Alguém com "má postura" será visto como sobrecarregado ou possivelmente um tipo de pessoa mais intrigante.


Essa é uma das várias dicas que mencionamos no ebook "A Personagem além das fórmulas".


2. Higiene (Pessoal ou Não)

"Psicopata Americano". Imagem: Cinematório
"Psicopata Americano". Imagem: Cinematório

Sobre o assunto de apresentações de personagens, há outro caminho não tradicional quando se trata de nomear traços físicos: você pode falar sobre a limpeza ou sujidade de sua aparência.


Essa pessoa está extremamente desleixada ou parece imaculada? Seu cabelo é oleoso, como o de um cantor grunge? Sua personagem pode até não ser uma pessoa suja, mas quem sabe sua casa é extremamente bagunçada e isso traz um contraste curioso com sua aparente personalidade.


3. Profundidade das reações emocionais/físicas


Você não precisa fazer isso em todas as cenas, mas, de vez em quando, é significativo informar o leitor sobre a intensidade de uma reação emocional ou física que seu personagem pode ter a certos estímulos.


O carinho deixa sua protagonista fisicamente desconfortável? Existe algum tipo de pequeno inconveniente que deixa seu antagonista muito mais irritado do que pessoas "normais" ficariam? Mesmo a falta de profundidade pode ser reveladora, como um anti-herói que parece não reagir à descoberta de uma terrível traição.


Lembre-se que as pessoas são imprevisíveis até certo ponto. Portanto, se tiver um motivo narrativo para essa reação incomum, você tem todo o direito de surpreender seu público com ações/reações desproporcionais de seus personagens.


4. Atividades habituais e hobbies

"Seinfeld". Imagem: reprodução
"Seinfeld". Imagem: reprodução

Conforme falamos também em nosso ebook, hábitos são inerentes a qualquer ser humano - e personagem.


Algumas pessoas podem ser mentirosas habituais, mas se você está buscando versões não verbais desse método de caracterização, pode optar por outros hábitos reconhecíveis: vícios em substâncias; atitudes de manipulação do outro ou até mesmo hábitos moralmente neutros, como estalar os dedos, mascar chiclete, encontrar seus amigos em um café específico ou recorrências involuntárias como episódios de narcolepsia.


Hábitos e outros comportamentos recorrentes dizem muito sobre as pessoas e ajudam a destacá-las. Afinal, é isso que estamos tentando fazer!


5. Definir o foco de sua atenção


Toda personagem tem um desejo ou uma necessidade. As mais importantes para a narrativa tornam esses objetivos e necessidades conhecidas ao longo da história, mas todas deveriam ter algo que desejam e precisam. É por isso que elas sempre têm sua atenção voltada para algo específico.


Aquela personagem secundária que você escreveu que é um paquerador detestável? Provavelmente, vai estar regularmente olhando para outras personagens, procurando o próximo caso ou o próximo ataque de auto-validação.


A heroína da sua história, que está tentando tirar seus pais da prisão, vai se concentrar no grande objetivo "provar a inocência de seus pais". Isso significa que ela estará prestando atenção quando as pessoas mencionarem seus pais, mesmo quando pistas incriminatórias começarem a aparecer.


Seja qual for o exemplo, a questão está na motivação. Isso é válido para qualquer cena, não só de apresentação!


6. As companhias determinantes

Sintonia
"Sintonia". Imagem: ePipoca

Existe um ditado que praticamente diz: "Uma pessoa é julgada pela companhia que mantém". No cinema ou TV, isso é muito real. As pessoas ao seu redor sempre podem ser usadas para decifrar a sua própria personalidade até certo ponto, seja você parecido com elas ou o completo oposto.


Essa é a ideia por trás de conhecer as personagens que cercam sua protagonista ou antagonista também. Uma personagem cercada por amigos abusivos pode ser o clássico arquétipo de valentão também – ou então alguém emocionalmente atrofiado como resultado de todo esse abuso.


O que você precisa tirar disso é uma conclusão: com base em quem sua personagem tem sempre por perto, elas terão o traço X ou o traço Y. Pense em narrativas como "Seinfeld", "Sintonia" ou "Euphoria".


Isso também pode ser uma dedução por parte do leitor que no futuro será provada errada, como em "O Clube dos Cinco" (The Breakfast Club, 1985) por exemplo. O bom é que existem muitas respostas "certas" para esse tipo de exercício social.


7. Fatos e características únicas


Há coisas sobre uma personagem que se destacam por sua natureza incomum. Quem sabe, dê a elas uma qualidade descritiva metafórica, que faça alusão a uma ideia estranha ou diferente do esperado. Pensando em um exemplo qualquer, uma personagem que é veterinária e cujo rosto é descrito como "parecido com um buldogue humano" ganha uma descrição muito específica e irônica.


O mesmo pode ser dito para o vilão em sua história que é identificado apenas pelo penteado icônico e inesquecível, como Zorg (Gary Oldman) em "O Quinto Elemento" (1995).

"O Quinto Elemento". Imagem: reprodução
"O Quinto Elemento". Imagem: reprodução

Viu quantas possibilidades diferentes de repensar suas apresentações de personagens? Aproveite para saber mais sobre isso participando de nosso Grupo Fechado para apoiadores do Catarse, onde divulgamos conteúdo extra, promovemos encontros e muito mais.