• Writer's Room 51

10 regras de Don Winslow para uma boa relação entre produtores e autores

O renomado autor traz dicas para profissionais do audiovisual baseadas em sua experiência com produtores e estúdios de Hollywood


Não é de hoje que as inimizades entre produtores, diretores, roteiristas e autores causam grande desconforto na indústria cinematográfica.


Esse, inclusive, é parte do tema de um dos artigos escritos pelo roteirista Don Winslow à Deadline, onde o autor lembra aos produtores e executivos que os escritores de livros e roteiros poderiam ser tratados com mais respeito.


Essa noção, embora básica, é quase estrangeira para Hollywood - que, de acordo também com uma matéria da Deadline, "sempre foi melhor em demitir escritores do que em contratá-los".


Prova disso são os famosos "causos" históricos de intriga entre diretores e autores. Alfred Hitchcock, por exemplo, notadamente comprou a primeira edição de "Psicose", romance de Robert Bloch, para que ninguém roubasse a idéia. Em seguida, demitiu Bloch antes que ele pudesse terminar seu primeiro rascunho.

Alfred Hitchcock e Anthony Perkins. Imagem: reprodução

Já o cineasta italiano Michelangelo Antonioni demitia sistematicamente seus roteiristas após se comprometer com um filme. "Um autor deve descartar as páginas e se concentrar na estética, não nas palavras", disse ele à Peter Bart, da Deadline. David Hemmings, ator de "Blow-Up" (1966), confidenciou que nem ele nem seu diretor jamais entenderam o enredo.


Ou seja, a relação de quem dirige ou produz com quem escreve sempre teve espaço para ser conturbada, mesmo quando não deveria ser. Portanto, se você tem um apego imenso pelas páginas que escreveu, é importante entender que o mercado audiovisual está mais disposto a questioná-las do que aceitá-las da forma como estão.


Responsável por romances de sucesso, como The Cartel e The Border, Winslow não joga pelas regras desse tipo de dinâmica. Uma postura como a dele é muito importante também para a classe de roteiristas de cinema, que acaba sofrendo com falta de reconhecimento em muitos aspectos.

Don Winslow. Imagem: GQ

Por isso, trazemos um dos textos de Winslow traduzido e adaptado, com várias dicas sobre como melhorar esse relacionamento entre autores de propriedades intelectuais e produtores, estúdios e profissionais do meio.


As 10 principais coisas que estúdios, canais e streamers podem fazer para tratar melhor os autores


Texto de Don Winslow traduzido e adaptado pelo Writer's Room 51.


Don Winslow. Imagem: Deadline

1. Lembre-se de quantos ótimos filmes começaram com ótimos livros

...E o Vento Levou, O Poderoso Chefão, A Ponte do Rio Kwai, A Lista de Schindler, Goodfellas e tantos outros. O que todos esses ótimos filmes têm em comum? Todos eles foram, primeiro, ótimos livros.


Da mesma forma, Onde os Fracos Não Têm Vez, Um Sonho de Liberdade, Silêncio dos Inocentes, Tubarão, A Firma, Um Estranho no Ninho. Quer se divertir um pouco? Veja os quarenta anos dos vencedores de Melhor Filme e veja quantos deles foram adaptados dos livros.

Eu sei que você ama franquias - Harry Potter, James Bond, Senhor dos Anéis, Jason Bourne e Jogos Vorazes -, todos começaram como livros.

2. Converse com o autor

Quando você adquirir um livro, pegue o telefone e ligue para o autor. Por trás da propriedade intelectual que você comprou - e, portanto, que você teoricamente ama -, está uma pessoa que muitas vezes trabalhou anos, se não uma vida inteira, no livro.


Portanto, telefonar e conversar com os autores não é apenas a coisa certa a fazer, é elegante. Reserve um momento para dizer a eles o quanto você gostou do trabalho deles e compartilhe seus planos de desenvolvimento e produção.


Os autores não são o osso vestigial do cinema corporal, de muitas maneiras somos o coração e o sangue. Isso vale para o roteirista contratado também. Quantas vezes, ao fechar um contrato com uma produtora, o roteirista se sente totalmente escanteado do projeto durante sua produção? Isso acontece, mas não precisa ser assim.

3. Estabeleça um relacionamento com o autor

Muitos estúdios pensam que, uma vez assinados os contratos, o relacionamento com o autor termina. Você pode fazer dessa maneira, mas é um erro, uma oportunidade desperdiçada.


Castle Rock formou e manteve um relacionamento real com Stephen King e olha para o resultado - ele continuou dando a eles livros e juntos eles fizeram filmes fenomenais como o mencionado Um Sonho de Liberdade, Louca Obsessão, Conta Comigo e outros.


Aliás, dois desses filmes foram dirigidos pela mesma pessoa, Rob Reiner, resultando em um sucesso após o outro. Os relacionamentos importam, os autores importam.

Stephen King. Imagem: reprodução

4. Incentive o diálogo entre o autor, o roteirista e o diretor

Com muita frequência, o diretor e o roteirista veem o autor como um obstáculo e não como uma ajuda, nunca entrando em contato conosco. Mas lembre-se, alguns dos problemas que você enfrenta são desafios com os quais lutamos anos antes.


Enquanto livros e filmes são mídias diferentes, as questões estruturais são frequentemente idênticas. Lembro-me de uma experiência em que um livro meu foi escolhido e não ouvi nada por meses. Quando finalmente liguei para o check-in, soube que eles estavam tendo problemas de história e caráter, os mesmos problemas que tive nos primeiros rascunhos do livro, e foi por isso que segui um caminho diferente. Sugeri uma solução e funcionou.


Se estivéssemos conversando regularmente, eu poderia ter poupado dois anos, dois roteiristas e vários milhões de dólares em desenvolvimento.

5. Mostre ao autor todos os rascunhos, não apenas o que você gosta

Costumo dizer às pessoas do cinema: "dois mil anos antes de você editar, estávamos editando". Entendemos o processo. Conhecemos tentativa e erro, porque é o material de nossas vidas diárias. Então, por favor, não esconda isso de nós.


Vamos enviar notas e sugestões. Você não precisa segui-los, mas até a Suprema Corte ouve argumentos antes de dar um veredicto. Novamente, podemos ser ativos e não passivos; aliados, não inimigos.


Autores como J.K. Rowling e Stephen King fizeram contribuições críticas para as adaptações cinematográficas de seus trabalhos. Lembre-se, o autor de O Poderoso Chefão Mario Puzo co-escreveu os roteiros para alguns filmes muito bons.

6. Seja transparente

Nenhum autor deve primeiro descobrir notícias sobre o desenvolvimento de seu próprio livro na mídia. Essa é a pior coisa que pode acontecer e, infelizmente, acontece o tempo todo.


Sei que você passa meses e anos nesses projetos, mas saiba que muitas vezes passamos anos, senão décadas. Minha “trilogia cartel” - O Poder do Cão, O Cartel, A Fronteira - representa um terço da minha vida. Portanto, ler na mídia sobre a contratação de um ator ou o diretor que deixa o filme para outro projeto não é apenas desdenhoso e ofensivo, mas pior ainda, diminui a confiança necessária para uma colaboração produtiva. Podemos receber más notícias, o que não conseguimos é lidar com o silêncio. Mais uma vez, atenda o telefone. Trate-nos como parceiros e seremos.

7. Mantenha a história e os personagens principais intactos

Sei que você não acredita nisso, mas entendemos que livros e filmes são mídias diferentes. Sabemos que eles têm necessidades diferentes que exigem mudanças (e, por favor, não fale conosco como se fôssemos crianças. Eu já participei de muitas reuniões em que as pessoas que filmam realmente diminuem a fala quando estão falando comigo). Portanto, algumas mudanças são necessárias, mas você comprou o livro por uma razão e, a menos que essa fosse apenas a premissa, você tem a obrigação de manter a história principal e os personagens. Os filmes de O Poderoso Chefão são diferentes do romance? Certo. Tubarão foi alterado para atender às necessidades do filme? Claro.


Mas todos esses filmes mantiveram a história central e os personagens, permaneceram fiéis aos valores centrais dos livros. Eu poderia listar qualquer número de filmes de sucesso que fizeram e, infelizmente, ainda mais que não. Não pegue algo que você ama e transforme-o em algo que ninguém poderia amar.

"O Poderoso Chefão". Imagem: reprodução

8. Lembre-se de que uma falha no estúdio não é uma sentença de prisão perpétua

Um ótimo livro é sempre um ótimo livro. Portanto, se não for feito em um estúdio, isso não significa que não vale a pena fazer em outro lugar. Escrevi um romance, O inverno de Frankie Machine, que atraiu a atenção de três grandes diretores - Martin Scorsese, Michael Mann e William Friedkin.


Scorsese optou por fazer O Irlandês (um bom filme) e Frankie acabou perdendo o desenvolvimento na Paramount. Isso foi decepcionante, mas ainda é o mesmo livro que atraiu aqueles diretores maravilhosos e premiados. Eu acho que ainda daria um bom filme, e talvez um dia ele o faça.


Assassinos ganham vida sem a possibilidade de liberdade condicional, não condenam livros ao confinamento solitário. A história continua tendo potência mesmo após uma "falha" de produção.

9. Se um filme ganhar um prêmio, agradeça ao autor

Ao longo dos anos, assisti ao Oscar, vi filmes adaptados de livros ganharem Melhor Filme e ninguém agradeceu ao autor. Vamos, pessoal - anos antes de você participar de reuniões, adaptar, lançar, contar histórias, filmar e andar naquele tapete vermelho, algum autor estava sentado sozinho numa sala com a ideia e trabalhando para trazê-la à vida na página .


Na maioria das vezes, esse autor também estava lutando para pagar as contas. Eu sei, eu era aquele cara. Assisti atores segurando a estátua dizerem que não esqueceram de suas raízes. Tudo bem, mas não se esqueça das raízes do trabalho que o ajudou a ganhar esse prêmio. Um simples "obrigado" significa muito.

Da mesma forma, quantos roteiristas percebem que seu nome foi subtraído do material de divulgação de uma obra? Ou mesmo quantos roteiristas notam a ausência de qualquer menção ao seu nome quando o filme ganha prêmios no circuito de festivais? Não esqueça da origem disso tudo: o roteiro.

10. Apoie o livro

Livros, cinema, televisão, streaming de conteúdo, mídia tradicional, mídia social - nas palavras de Lenny Bruce: "somos todos iguais". Quando alguém espirra em Los Angeles, alguém em Nova York diz "Gezundheit". Precisamos um do outro, e você, na indústria cinematográfica, pode fazer muito para apoiar os livros que você optou ou comprou. Fale sobre o livro em suas mídias sociais, use sua rede para divulgar, apareça com o autor em um evento, diga ao mundo por que você comprou o livro, o que você ama e quais são seus planos.


Tem alguma notícia interessante sobre elenco? Ligue-nos primeiro e depois informe a todos. Acredite, isso ajuda enormemente, vende livros e é bom para você no final do filme. Nós podemos ajudá-lo também. Me perguntam o tempo todo - quero dizer praticamente diariamente - sobre minha experiência com projetos de cinema e televisão. As perguntas vêm da mídia, mas também dos leitores - protetores dos livros que amam. Eu tenho uma ampla escolha de como responder e quase sempre escolho apoiá-lo. Estamos nisso juntos. Nós precisamos um do outro.


#Cinema #Roteiro #Autor #DonWinslow #Hollywood #Dicas

172 visualizações

Writer's Room 51 é uma vitrine online de projetos audiovisuais autorais.

Newsroom 51 é um portal afiliado de artigos sobre cinema, TV e streaming.

  • Branco Facebook Ícone
  • Branco Twitter Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca Ícone LinkedIn