google-site-verification=-Vw97frlPatSJg0ryKCuJ0vKAYHw3mR4lx8_MQJ6OGQ
top of page

Conheça 6 dicas de Michael Moore para documentários de impacto

Atualizado: 20 de abr. de 2023

Traduzimos algumas dicas do famoso cineasta para ajudar a conceber o seu projeto

Michael Moore. Imagem: reprodução
Michael Moore. Imagem: reprodução

Quem é Michael Moore?


Michael Moore é um diretor, roteirista, produtor e documentarista norte-americano, conhecido pela sua postura crítica, sobretudo em relação à violência da sociedade americana, às grandes corporações, às desigualdades sociopolíticas e econômicas. Seus documentários mais conhecidos envolvem "Tiros em Columbine" (Bowling for Columbine; 2002), "Fahrenheit 11 de Setembro" (Fahrenheit 9/11; 2004) e "Sicko" (2007).


Entre outras coisas, Moore possui um famoso jeito controverso e direto de falar. Confira abaixo alguns destaques da sua palestra publicada na IndieWire em 2014, traduzidos e adaptados por nós.


Para ter acesso à tradução completa, conteúdo exclusivo e mais, apoie nosso Catarse!



6 dicas de Michael Moore para documentários mais impactantes

Michael Moore. Imagem: reprodução
Michael Moore. Imagem: reprodução

1. Essencialmente, a 1ª Regra do “Clube da Luta”


Qual é a primeira regra do “Clube da Luta”? A primeira regra do “Clube da Luta” é: “Não fale sobre o 'Clube da Luta'”.


A primeira regra dos documentários é: "Não faça um documentário — faça um filme". Pare de fazer documentários. Comece a fazer filmes. Você escolheu esta forma de arte – o cinema, essa incrível e maravilhosa forma de arte, para contar sua história.


Você não precisava necessariamente fazer isso. Se você quer fazer um discurso político, pode se filiar a um partido, pode fazer um comício. Se você quer dar um sermão, pode ir ao seminário, pode ser um pregador. Se você quiser dar uma palestra, você pode ser um professor. Mas você não escolheu nenhuma dessas profissões. Você escolheu ser cineasta e usar a forma do Cinema. Então faça um FILME [...].


Se você tem dificuldade em se chamar simplesmente de “cineasta”, então por que você está neste negócio? Muitos de vocês dirão: “Bem, eu faço documentários porque acho que as pessoas deveriam saber sobre o aquecimento global! Eles deveriam saber sobre a Guerra de 1812! O público deve ser ensinado a usar garfos, não facas!! É por isso que faço documentários!” Ouça a si mesmo. Isso soa como uma repreensão. Como se você fosse a Madre Superiora com uma régua de madeira na mão. “Eu sou aquele que sabe tudo e devo transmitir minha sabedoria às massas!” Ah, agora entendi. É por isso que dezenas de milhões vão aos cinemas todas as semanas para assistir a documentários – porque estão morrendo de vontade de saber o que fazer e como se comportar.


E o público, as pessoas que trabalharam duro a semana inteira – é sexta à noite e eles querem ir ao cinema. Eles querem que as luzes se apaguem e sejam levados para algum lugar. Eles não se importam se você os faz chorar, se você os faz rir, se você os desafia a pensar. Mas eles não querem ser repreendidos ou ver nosso dedo invisível balançando fora da tela. Eles querem se divertir.

Atomic cafe
"The Atomic Cafe". Imagem: The GATE

Quando Kevin Rafferty e seu irmão fizeram “Atomic Café” em 1982, a lâmpada acendeu para mim. Eles compilaram todos esses clipes de todos os filmes de terror da era da Guerra Fria. Atomic Café” foi um filme engraçado – sobre o fim do mundo – e o público riu histericamente do início ao fim. Mas o riso serviu a um propósito muito maior.


O riso é uma forma, antes de tudo, de aliviar a dor daquilo que você sabe ser a verdade. E se estamos tentando ser verdadeiros como cineastas, então o que há de errado em dar ao público uma colher de açúcar para "ajudar a descer"? Já é bastante difícil para as pessoas pensar sobre essas questões e lidar com elas, e não há absolutamente nada de errado em deixá-las rir, porque o riso é catártico.


Além disso, não quero que as pessoas saiam do cinema deprimidas depois dos meus filmes. Eu os quero com raiva. Deprimido é uma emoção passiva. A raiva é ativa. A raiva significará que talvez 5%, 10% desse público se levantará e dirá: “Tenho que fazer alguma coisa. Vou contar aos outros sobre isso. Vou pesquisar mais sobre isso na internet. Vou me juntar a um grupo e lutar contra isso!”


Ou, no caso de Quentin Tarantino, que era o presidente do júri em Cannes quando deram a Palma de Ouro a “Fahrenheit 9/11” e me disse no jantar: “Tenho que contar a você o que seu filme realmente fez por mim. Nunca votei na minha vida, na verdade, nunca nem me registrei para votar – mas a primeira coisa que vou fazer quando voltar para Los Angeles é me registrar para votar". E eu disse: “Uau, o que você acabou de me dizer é mais importante do que essa Palma de Ouro. Porque se o que você vai fazer for multiplicado por outro milhão ou 10 milhões de pessoas que assistem a esse filme – cara. Vou me sentir ótimo por ter vivido para fazer este filme e ver isso acontecer.”

Michael Moore. Imagem: reprodução
Michael Moore. Imagem: reprodução

Acho que é o humor que leva as pessoas até esse tipo de conclusão [...]. Se o humor puder ser usado de forma devastadora para sacudir as pessoas de seus assentos e fazer algo de verdade, valerá a pena. O humor pode ser devastador. O riso, o ridículo, pode ser uma faca muito afiada para ir atrás de quem está no poder, para ir atrás de quem está machucando os outros.


Não entendo por que mais pessoas não fazem isso – usam humor em seus documentários. Também não entendo por que tantos documentaristas pensam que a política ou a mensagem de seus filmes é a principal prioridade, em vez da arte do cinema, e fazer um bom filme. A arte do filme é mais importante para mim do que a política. Sim, eu disse isso! A política é secundária. A arte [storytelling] está em primeiro lugar. Por que?


Porque se eu fizer um filme ruim, a política não vai atingir ninguém. Se eu ignorar a arte, se eu não respeitar o conceito de cinema, se eu não entender porque as pessoas gostam de ir ao cinema, ninguém vai ouvir uma única palavra sobre política e nada vai mudar. Então a arte tem que vir primeiro.


2. Não me diga m*rdas que eu já sei

Roger and me
"Roger & Me". Imagem: THR

Não assisto a esses tipos de documentários que me acham um ignorante. Não me diga que a energia nuclear é ruim. Eu sei que é ruim. Não vou desistir de duas horas da minha vida para que você me diga que é ruim. Sério, não quero ouvir nada que eu já saiba.


Não gosto de assistir a um filme em que os cineastas obviamente pensam que são as primeiras pessoas a descobrir que algo pode estar errado com os alimentos geneticamente modificados. Você acha que é o único que sabe disso? Sua falha em confiar que existem realmente algumas pessoas inteligentes por aí é a razão pela qual as pessoas não vão assistir ao seu documentário [...].


Ao fazer “Roger & Me”, eu disse à equipe, à equipe, aos editores, que estávamos fazendo um filme sobre a capital do desemprego nos Estados Unidos – e não haveria uma única cena da linha do desemprego no filme. Não vou usar as mesmas imagens antigas que são usadas semana após semana. As pessoas estão insensíveis a essas imagens. Elas as veem repetidamente.


Precisamos mostrar a eles algo que os faça sentar em suas cadeiras e dizer: "Jesus, esta não é a América em que eu quero viver!"


3. Não use o modo "palestra universitária" de contar uma história

Michael Moore. Imagem: reprodução
Michael Moore. Imagem: reprodução

Isso tem que parar. Temos que inventar uma maneira diferente, um tipo diferente de narrativa. Não sei como fazer isso, porque fiz apenas três semestres na faculdade.


Mas uma coisa pela qual sou grato é que nunca aprendi a escrever uma redação para a faculdade.


Eu odiava a escola, sempre odiei a escola. Não foi nada além de regurgitação para o professor de algo que o próprio professor disse; ter que lembrar e escrever de volta em um pedaço de papel. Matemática nunca foi um problema. Outra pessoa já havia resolvido o problema e colocado no livro de matemática. O experimento de química não foi um experimento. Alguém já fez isso e agora está me obrigando a fazer, mas ainda chamando de experimento. Nada era um experimento lá.


4. Acho importante tornar seus filmes pessoais

Michael Moore.
"Fahrenheit 9/11". Imagem: reprodução

Não digo colocar-se necessariamente no filme ou na frente da câmera. Foi por acaso que acabei em “Roger & Me” [...]. As pessoas querem ouvir a voz de uma pessoa. A grande maioria desses documentários de maior sucesso são os que têm uma voz pessoal.


Eu sei que a maioria dos documentários fica longe disso; a maioria não gosta de narração e apenas colocam alguns cartões para explicar o que está acontecendo. Mas o público está se perguntando: quem está dizendo isso para mim?


Você sabe quando vê um filme de Scorsese que é ele quem está dizendo isso. Eu sabia quando fui ver “Gravidade”, porque foi feito por Alfonso Cuarón, que não iria ver um filme 'de Hollywood', mesmo sendo distribuído pela Warner Brothers. Não era um filme americano. Eu ia ver um filme mexicano. Ele é um cineasta mexicano.


Se você já viu seus filmes, incluindo o sombrio Harry Potter dele, sabe que não tem como prever o que iria acontecer no filme. Se ninguém estragou tudo para você, era muito possível que Alfonso Cuarón pudesse matar Sandra Bullock e George Clooney e qualquer outra pessoa no espaço. Ele é um cineasta mexicano! E foi isso que tornou “Gravidade” tão emocionante para mim, porque eu não sabia o que iria acontecer nos próximos 10 minutos, como faço na maioria dos filmes de Hollywood.

Gasland
"Gasland" (2010). Imagem: MUBI

Você também não quer que seu público saiba. Em “Gasland” (2010) quando eles colocaram fogo na água, eu nunca tinha visto isso antes! Eu não esperava isso. É quando as pessoas começam a contar a seus amigos sobre isso. Eles dizem a seus amigos no trabalho: “Você precisa assistir a este filme”.


5. Aprenda com o storytelling de livros e TV de não-ficção


[...] Abra a seção de resenhas de livros do New York Times neste domingo. Haverá três vezes mais livros de não-ficção revisados ​​do que livros de ficção, três vezes mais. Livros de não-ficção vendem muito e a televisão de não-ficção é enorme!


Veja as classificações. Os 25 principais programas da semana têm vários programas de não ficção, desde os mais inteligentes, como “60 minutos”, até coisas como “Dancing with the Stars”. Mas também há Stephen Colbert. E Stewart, Bill Maher e John Oliver.


Estes são programas de não-ficção e são extremamente populares. Eles usam o humor, mas o fazem para dizer a verdade. Noite após noite após noite. E isso para mim se torna um documentário. Isso se torna não-ficção. As pessoas adoram assistir Stewart e Colbert. Por que você não faz filmes que vêm desse mesmo espírito? Por que você não iria querer o mesmo grande público que eles têm?


As pessoas querem a verdade E querem ser entretidas.


6. O som pode ser mais importante que a imagem

Michael Moore. Imagem: reprodução
Michael Moore. Imagem: reprodução

Pague ao seu profissional de som o mesmo que você paga ao de fotografia, especialmente nos documentários. O som carrega a história. Em um filme de ficção e não-ficção também.


Você está em uma sala de cinema onde está um pouco fora de foco ou talvez o quadro esteja transbordando para a cortina. Ninguém levanta, ninguém fala nada, ninguém vai avisar o projecionista. Mas se o som acabar, há um tumulto, certo?


Se a foto for ruim, ou se você tiver que correr porque a polícia está atrás de você e a câmera estiver balançando por toda parte, o público depois não vai dizer: “Ei, por que essa câmera está balançando?" Digamos que você não fotografou algo totalmente em foco, você teve que filmar muito rapidamente. O público não se importa – SE a história for forte e eles puderem ouvi-la. É nisso que estão prestando atenção.




Essas foram algumas das dicas de Michael Moore para pensar ou melhorar seus projetos de documentário. Considere apoiar nosso Catarse para ter acesso a materiais exclusivos, encontros sobre narrativa, descontos e mais!

642 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page